Frutos do mar: iguarias se destacam na gastronomia de Maceió

É fato que a culinária de Maceió pode ser apontada como uma das mais variadas do nordeste. Do nacional ao internacional, seus sabores trazem um pouco de cada cidade brasileira e se estendem a países como China, Japão, Itália e África. Mas uma coisa é certa: é nos frutos do mar que repousa a identidade da cidade que aproveitou sua proximidade com o mar e lagoas para garantir um cardápio criativo e muito saboroso. 

Criatividade vista, por exemplo, no camarão acebolado do Bar do Rogildo, em Bebedouro. “Tentamos fugir um pouco do preparo só com cebola e margarina”, confirma Wagner Pimentel, neto de Rogildo Farias que, há 20 anos, resolveu fundar o bar a pedido de seus amigos, fãs do tempero de sua esposa, dona Silvia Pimentel.

A receita ganhou fama em Maceió por apresentar um sabor, ao mesmo tempo,  suave e marcante. Um preparo que mistura ingredientes tradicionalmente já usados pela maioria, com outros como o creme de leite e o limão, o que, segundo dona Silvia, “faz toda a diferença e dá um sabor diferente ao prato”. 

O camarão é parte importante do cardápio nos restaurantes e bares de Maceió. Foto: Polyanna Monteiro/Secom Maceió

Iguarias como sururu e siri também fazem parte da identidade gastronômica da cidade. No Bar do Pelado, eles são muito famosos.  “Tem gente que vem aqui só para tomar o nosso caldinho de siri”, conta Iolanda Tavares, que divide a cozinha do lugar com seu esposo José Torricelli, proprietário do bar.

O siri tem que ser de coral. O sururu, higienizado muitas vezes.  De simples preparo, a fervura do siri na água e sal já garante o sabor do prato. O segundo caso exige um pouco mais de atenção. Além da higienização, o preparo do sururu envolve duas fervuras, além de ser necessária a adição de ingredientes como leite de coco natural, verduras e condimentos. 

Siri e Sururu, especialidades no Bar do Pelado. Foto: Polyanna Monteiro/Secom Maceió

Peixada e camarãozada também estão inclusas nesse cardápio que já virou a cara de Maceió. No Peixarão, os dois pratos se fundem e viram um só. O peixe ganha uma calda diferente da habitual, agora toda recheada de camarões, dando origem a um novo prato.

Peixarão executivo. Foto: Polyanna Monteiro. Secom/Maceió

O Polvo também é pedido em muitos lugares da capital e no restaurante Santo Antônio, que fica na Jatiúca, ele é o astro. Basta saber que no primeiro ano de sua abertura, o lugar já tinha vendido mais de meia tonelada do molusco

“Eu sempre gostei de polvo e foi por isso que coloquei em nosso cardápio. Fazemos ele inteiro e finalizamos com todo cuidado para sair algo bem bonito. Quem vem aqui, indica nosso prato como um dos melhores da cidade”, conta Diego Alencar, um dos proprietários do restaurante. 

Polvo grelhado com batatas rústicas, molho de ervas e tarê de mel de engenho. Foto: Site Nide Lins

Outra excelente pedida na cidade é a pata do caranguejo. E nessa questão o Bar da Pata é especialista. São quase 50 anos dedicados a preparar a pata de uçá mais famosa da cidade. Servida ao molho de tomate, passa por um processo inicial de pré fervura e só depois é mergulhada no molho para completar seu processo de cozimento. 

A pata de uçá já virou tradição no prato dos maceioenses. Foto: Polyanna Monteiro. Secom/Maceió

Casquinha de siri, bacalhoada, peixe frito, ostra ou maçunim – as opções são muitas e para todo tipo de paladar. Seja turista ou maceioense, a culinária da capital alagoana conquista a todos que a experimentam e reforça uma Maceió que vai além de suas belas paisagens.

Polyanna Monteiro com colaboração de Nide Lins

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.